Revista ProCampo - Uma Leitura Produtiva

 

 
de
Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/storage/f/f6/ff/revistaprocampo/public_html/index.php on line 280
2018.
  51ª Edição (Agosto/Setembro)  
Publicidade


Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/storage/f/f6/ff/revistaprocampo/public_html/estrutura/banners/exibir.php on line 9
Anuncie Aqui!

Entrevistas

 

20.12.2010 - 09:53

Aposta nas aves

Os avicultores capixabas são responsáveis por um plantel de mais de 9 milhões de cabeças de frangos de corte, 8 milhões de galinhas de postura comercial e 1,5 milhão de cabeças de codorna. São mais de 390 propriedades em 10 municípios e 22.500 mil empregos diretos e indiretos ao longo da cadeia avícola. Para representar este importante setor, a Associação dos Avicultores do Espírito Santo - Aves trabalha auxiliando os avicultores em várias frentes. O atual presidente da associação, o produtor Argêo João Uliana, tem uma história de 45 anos com a Cooperativa Agropecuária Centro Serrana - Coopeavi, localizada em Santa Maria de Jetibá (ES).
 “Atuei como presidente de 1996 a 2006 e estou como vice-presidente. Pela Cooperativa, sempre procurei a visão da melhoria nas atividades de nossos associados com crescimento sustentável e da divulgação do cooperativismo por entender que o cooperativismo junto com o associativismo é a alternativa de sobrevivência dos pequenos e médios produtores, vislumbrada sob a ótica de que vários setores permanecem ativos em função desse tipo de trabalho”, explica.
  Na visão dele, o objetivo da Aves é desenvolver as atividades dos produtores em parceria com as instituições governamentais e não governamentais, ou seja, Ministério da Agricultura, Conab – Governo do Estado, Secretaria de Agricultura, Idaf, Incaper, Delegacia Federal de Agricultura, Federação da Agricultura e todas as instituições ligadas a atividade a fim de trazer para nossos associados alternativas de desenvolvimento sustentável das atividades, sempre com o foco nos aspectos social, ambiental e sanitário.

ProCampo - O que é a Aves e como funciona?
Argêo João Uliana - A Associação dos Avicultores do Estado do Espírito Santo (Aves) foi fundada em outubro de 1969, pela necessidade de se ter uma entidade representativa para o setor avícola capixaba. A idéia dos fundadores era potencializar a atividade por meio da integração e do entrosamento entre produtores. Inicialmente, a Aves possuía sede na Capital Vitória, passando posteriormente para o município de Viana. Hoje a Aves possui sua sede no município de Marechal Floriano, região serrana do Estado, onde está localizada grande parte dos produtores associados.
Atualmente a Aves possui 198 associados, entre produtores individuais, empresas e cooperativas, sendo 48 da atividade de avicultura de corte, 134 da atividade de postura comercial e 16 produtores de codornas. A estrutura avícola do Estado ainda é composta por 03 incubatórios e 05 abatedouros de inspeção Federal ou Estadual.

ProCampo - Qual a importância da avicultura do Espírito Santo para o Espírito Santo?
Argêo João Uliana - Consideramos a avicultura capixaba de grande importância para o Estado do Espírito Santo. O contexto econômico-social é o fator mais forte em vários municípios, onde temos casos onde a avicultura é a maior geradora de renda, como é o caso de Santa Maria de Jetibá.
A produção avícola, de maneira geral, está concentrada nos municípios de Santa Maria de Jetibá, Marechal Floriano, Domingos Martins, Linhares, Venda Nova do Imigrante e Castelo, além de outros, embora com menor volume.  A atividade gera 22.500 empregos diretos e indiretos e contribui com a renda de mais de 85 mil pessoas em todo o Estado que trabalham na agricultura, principalmente os setores de fruticultura e hortifruticultura que utilizam-se enormemente do adubo orgânico produzido.
Um dado importante de ser ressaltado é o tamanho da avicultura de postura em nosso Estado. Atualmente temos cerca de 12% da produção brasileira de ovos em nosso estadão, onde ainda, segundo divulgação do IBGE nos últimos dias, Santa Maria de Jetibá é o segundo município em produção de ovos de consumo em nível nacional, ficando apenas atrás de Bastos (SP).
Já na avicultura de corte, o que pode ser ressaltado é a mudança na forma de produção do setor. Nos últimos 5 anos o segmento vem investindo na industria e neste ano de 2010 iniciamos a comercialização de frango abatido para países árabes, África e Ásia. 
Este é um foco que o mercado capixaba tende a evoluir bastante nos próximos anos, seguindo uma realidade da avicultura nacional. Com isso novas plantas de abate estão sendo projetadas a cada ano o que colocará o Estado em condição de crescimento da atividade.
Voltando ainda à postura comercial, existem já vários aspectos sendo trabalhados quanto á comercialização de ovos in natura para o mercado externo. Estudos estão sendo realizados, buscando ainda considerar a industrialização de ovos, onde o ovo em pó e o produto pasteurizado mostram se como interessantes alternativas a médio prazo.
Importante ressaltar aqui ainda o segmento de codornas que vem tomando grande importância em nosso Estado. Trata-se de uma atividade que vem crescendo paralelo ao segmento de postura comercial, onde o produtor oportuniza o mesmo mercado para comercialização dos dois produtos, com isso estamos aproximando nosso plantes de coturnicultura em 2 milhões de aves.
Com isso, mesmo diante de situações adversas, nossos produtores estão competindo fazendo a distribuição para vários mercados, sempre pautados na qualidade dos produtos. Para isto a Aves, Coopeavi e Instituições Governamentais Estaduais e Federais estão trabalhando com muita dedicação para ver esse projeto realizado.

ProCampo - Quais entraves prejudicam o desenvolvimento do setor no Estado?
Argêo João Uliana - O maior gargalo do setor é a aquisição de matéria prima, ou seja, o milho e a soja, que é trazida em sua maioria do centro-oeste brasileiro.  A logística é um aspecto preponderante que vem sendo discutido nos últimos anos a fim de obtermos amenização dos custos e dos mecanismos de suporte dos setores, especialmente se considerarmos um crescimento no médio prazo.
Existem ainda outros aspectos junto à cadeia que podem ser considerados como fatores dificultadores, mas que enfrentamos com mecanismos naturais como qualquer setor produtivo.

ProCampo - Como profissionalizar o avicultor e os trabalhadores na avicultura capixaba?
Argêo João Uliana - Nossa avicultura cresceu e se desenvolveu graças aos produtores que tiveram uma visão de profissionalismo na atividade. Nossos setores estão entre os melhores do país em termos de tecnologia e índices técnicos.
Esse fator se deve especialmente ao fato de ter um custo de produção, historicamente 10% superior ao restante do país em função de termos que importar quase toda matéria prima utilizada na atividade, especialmente milho e farelo de soja que representam 70% do custo de produção. Desta forma apenas com muito profissionalismo para buscar viabilizar uma atividade que sob o ponto de vista econômico apresenta resultados não satisfatórios.
A visão dos empresários sempre acreditando na atividade fez com que procurassem se manter atualizados com as informações ambientais e sanitárias e o acompanhamento do mercado futuro, interno e externo.

ProCampo - O que tem puxado o preço do frango vivo, que explica esse crescimento próximo a 20%?
Argêo João Uliana - O frango vivo nas ultimas semanas tem tentado acompanhar a evolução dos custos das matérias primas, especialmente o milho que em menos de 90 dias teve seu preço para o produtor capixaba ajustado em mais de 50%.
Isso, no entanto não acontece apenas com o frango, com o ovo também é uma realidade, ou seja, o produtor está pagando mais caro pelo insumo, no entanto não existe um acompanhamento equivalente dos percentuais de valorização. O frango, neste caso, teve uma recuperação de preços, mas não nos mesmos patamares que o custo da matéria prima e o ovo praticamente não sentiu esse reflexo de alta.
É uma questão de lógica econômica, se consegue um valor melhor em determinado produto de acordo com a disposição do mercado em pagar e vice-versa.
Em todo esse contexto é preciso ainda considerar que outros fatores contribuem com a pressão de alta. Mesmo assim o produtor acaba vivendo sempre no “fio da navalha”, suscetível a prejuízos de forma muito sensível.
Quando dizemos que existem outros fatores estamos nos referindo a fatores climáticos, desequilíbrio na carga tributária aplicada aos produtos acabados, especialmente sob o ponto de vista de concedimento de benefícios fiscais em alguns estados, o que sob o ponto de vista da legislação federal é ilegal, entre outros aspectos.

ProCampo - Quais são as perspectivas de parceria da Aves com os produtores?
Argêo João Uliana - Temos uma relação muito próxima dos nossos associados. Desenvolvemos várias ações que são cruciais para a avicultura capixaba onde um dos temas principais trabalhados atualmente se refere aos processos de adequação ambiental e regularização de produtores. No momento, a Aves coordena dois programas para o licenciamento em grupo. Neste caso, a Associação une grupos de produtores com o objetivo de minimizar os custos do processo, dando oportunidade aos pequenos produtores de legalizarem suas atividades.
Com o mesmo objetivo, outro trabalho feito pela Aves, em conjunto com o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf), é a discussão de um Termo de Compromisso Ambiental, proposto pelo órgão fiscalizador. A idéia é que os avicultores assinem um documento em que se comprometem a realizar as adequações exigidas pelo Idaf, em um prazo de 90 dias. Assim que assinarem o termo, os produtores receberão suas licenças.  A expectativa é que aproximadamente 100 propriedades, sejam regularizadas até o fim do ano com essa ação.
Vale ressaltar, que destes 100 produtores, sessenta, de Santa Maria de Jetibá e entorno, receberam suas licenças através da assinatura do termo de compromisso  no final do mês de novembro.
A Aves também trabalha o desenvolvimento do setor, junto ao Sebrae-ES, desde o início deste ano, por meio da Gestão Estratégica Orientada para Resultados (GEOR). O projeto para a avicultura deve investir recursos nos próximos três anos em ações para fortalecer a atividade avícola de corte, de postura e coturnicultura. Dentre as ações previstas estão: Qualificação técnica e gerencial, com o objetivo de padronizar a produção avícola capixaba, agregando valor ao produto comercializado; Desenvolvimento de infra-estrutura para produção; Adequação do setor às normas sanitárias vigentes, onde estão sendo executadas atualmente ações no sentido de realizar o registro dos estabelecimentos avícolas junto ao Ministério da Agricultura.
ProCampo - Como a questão ambiental pode afetar o desenvolvimento do setor avícola?
Argêo João Uliana - Como pode ser notado no item anterior a questão ambiental está sendo tratada de forma muito sólida pelo nosso Setor.
Estamos com esse tema em foco a mais de dez anos, onde muitos desafios surgiram, tivemos que interagir e agir em várias frentes, mas estamos nos ajustando em pouco tempo teremos  quase toda, senão toda, a atividade regularizada.
Temos ainda é claro entraves que dificultam algumas ações, mas as atitudes que são tomadas conjuntamente com os órgãos competentes  para que o processo possa ser mais flexível possível para todos.

ProCampo - A Aves planeja mudanças na forma de trabalhar em 2011?
Argêo João Uliana - Não existe nenhum planejamento no sentido de mudanças. É claro que ajustes sempre são promovidos, até para podermos estar alinhados com a realidade do setor, mas isso sempre é trabalhado de forma concomitante ao processo através dos Diretores e Técnicos da Associação.

ProCampo - Quais os procedimentos para o registro e cadastro de granjas no Estado?
Argêo João Uliana - Especificamente para que o produtor possa fazer o registro de seu estabelecimento é necessário que ele busque auxilio de um técnico que tenha experiência na área de produção avícola.
Geralmente o mais recomendado é um Médico Veterinário que fará determinados levantamentos, conforme regras específicas estabelecidas pelo Ministério da Agricultura (Mapa), e elaborará um projeto a ser protocolado junto ao Idaf que verifica a necessidade de algum ajuste ou adequação quanto ao que é preconizado na regra estabelecida pelo Mapa.
Após isso, e verificada regularidade é emitido um certificado de registro sanitário. Importante ressaltar que toda a atividade avícola nacional tem prazo até 06 de dezembro de 2012 para regularizar suas estruturas. Após esse prazo os estabelecimentos que não dispuserem do mesmo não poderão comercializar seus produtos – ovos e carnes.


Edições Anteriores

23.09.2014 - Desconhecimento e descaso

08.07.2014 - Selita com novo presidente

13.05.2014 - "Com o resfriamento do Oceano Pacífico, deve haver uma redução de chuvas no Sudeste e Sul do país"

18.03.2014 - A pujança do agronegócio capixaba

08.01.2014 - Em defesa da cacauicultura


 voltar  |  topo  |  home

Publicidade

 


Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/storage/f/f6/ff/revistaprocampo/public_html/estrutura/banners/exibir.php on line 9
Anuncie Aqui!


Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/storage/f/f6/ff/revistaprocampo/public_html/estrutura/banners/exibir.php on line 9
Anuncie Aqui!


Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/storage/f/f6/ff/revistaprocampo/public_html/estrutura/banners/exibir.php on line 9
Anuncie Aqui!


Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/storage/f/f6/ff/revistaprocampo/public_html/estrutura/banners/exibir.php on line 9
Anuncie Aqui!

 

Parceiros

 

    Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/storage/f/f6/ff/revistaprocampo/public_html/estrutura/banners/parceiros.php on line 9
  • Defagro
  • Midas
  • Cooabriel
  • Incaper
  • Seea
  • Senar
  • CCA-Ufes
  • Cedagro

Revista ProCampo - A Revista do Agronegócio Capixaba

Endereço: Rua Vinte e Dois de Abril, 09 - B.N.H. - Linhares/ES - 29902-180

Telefone: (27) 3373-3424 // 9984-5808

Email: procampo@revistaprocampo.com.br

"Criando sua empresa na internet"