Revista ProCampo - Uma Leitura Produtiva

 

 
de 2017.   51ª Edição (Agosto/Setembro)  
Publicidade

Anuncie Aqui!

Notícias

 

08.01.2014 - 17:00

Ensacamento de cachos de bananeira

O uso do saco tem a finalidade de proteger a fruta dos ataques de pragas como, trips, fungos e até mesmo  de insetos como mariposa, traça-da-bananeira ou irapuás. Ele também reduz o ataque de  lesmas, de pássaros e de morcegos, principalmente durante o inverno, quando há falta de alimentos para esses animais, que chegam a se alimentar de frutos ainda bem verdes.
 
Além dessas proteções físicas contra danos de parasitas, animais, morcegos,  essa prática ainda confere proteção contra danos mecânicos, causados por chuvas de pedras, pelo atrito das folhas e poeiras que provocam ferimentos nos frutos, portanto auxiliando na melhoria da qualidade dos mesmos. O ensacamento  também pode ser usado, nas regiões onde há ocorrência de baixas temperaturas, com a finalidade de manter o cacho com melhor equilíbrio térmico, uma vez que no  interior do saco, a temperatura fica 3-5°C maior do que a observada fora do saco, essa  característica  auxilia  protegendo a fruta contra mudanças bruscas da temperatura.
 
O ensacamento feito com polietileno de cor mais escura, tendendo para preto dá ao cacho uma maior proteção contra o frio, porém provoca o aparecimento de frutos com uma coloração verde apagado.

Várias pesquisas evidenciaram que o uso de sacos de coloração azulada e semi-opacos são os mais indicados nos bananais com densidade de l.500 a 2.500 touceiras/ha, quando cultivados em regiões com insolação de l.000 a 2.000 lux (horas de luz/ano queimada no heliógrafo). Se a densidade é menor e ou a insolação é maior a tonalidade do saco deve ser mais escura para evitar queimaduras nos cachos. Porém, se as condições são inversas, ela deve ser mais suave, podendo-se até mesmo serem usados sacos incolores.

Em bananais pouco adensados ou nas plantas localizadas ao longo dos carreadores, o ensacamento feito com polietileno opaco azulado evita que as frutas se queimem com os raios solares. Na falta deste material pode-se embrulhar o cacho com papel jornal e depois ensacar com bolsas incolores, mas é uma medida que tem algumas implicações. Se o ensacamento não for feito com a finalidade de evitar o frio, os sacos deverão ter a espessura de 0,05 a 0,08 mm e ter furos de 5 a 10 mm a cada 80 a 100 mm, em ambas as direções. Se o ensacamento for feito para proteger o cacho das baixas temperaturas, ele deverá ser mais espesso, até 0,13 ou 0,15 mm. Neste caso, o saco não deverá conter furos. Seu uso com essa finalidade depende em parte do custo de aquisição e da mão-de-obra. Quanto às dimensões da bolsa, elas variam de 80 a 120 cm de largura por 120 a 160 cm de comprimento, dependendo, obviamente, da varieade plantada.

Objetivos

A época de se realizar o ensacamento  depende dos objetivos. Se a finalidade é proteger a fruta contra ataques da traça-da-bananeira  por exemplo, o ensacamento deve ser feito quando o botão floral emerge e ainda não abriu a bráctea da primeira penca; se for apenas evitar atritos, ganhar aumento de peso ou mesmo melhorar sua aparência  (coloração da casca), pode ser feita logo depois da despistilagem; se é para proteger a fruta de baixas temperaturas deve ser feita apenas no período de  inverno, tão logo as primeiras brácteas comecem a se soltar; se antecipar a colheita, o ensacamento deve ser feito como se fora para proteger a fruta contra a traça-da-bananeira; se já houve uma queda de granizo e a planta ficou com poucas folhas, deve-se cobrir o cacho com jornal para em seguida ensacá-lo.

As bolsas podem  conter inseticidas ou fungicidas no seu interior, como medida preventiva, ou não. O uso de sacos impregnados com inseticidas torna a prática mais eficiente no controle de trips, lepidópteros e afídios.  O saco deve ser amarrado no engaço do cacho, em uma posição tal que seja, no mínimo, 10 a 15 cm mais alto que a extremidade distal dos frutos da primeira penca. Esta amarração pode ser feita utilizando um ensacolador com cabo longo que fixa  um  elástico  no engaço. Durante o ensacolamento deve-se tomar cuidado com as bolsas que podem formar no saco, encima da primeira penca. Esta bolsa permite um acúmulo de água de chuva, que pode causar manchas nessa penca  ou podridão dos frutos, pela aderência do plástico nos mesmos. Além disso, em bananeiras com  poucas folhas, os raios solares, ao incidirem na água acumulada, podem provocar queimaduras nessas frutas.
 
Em bananais com cultivares de porte médio onde haja boa densidade de cachos, um colaborador faz, em média, 500 ensacamentos por dia e se há poucos cachos sua produção é, menor, pois ele tem que caminhar mais para realizar o mesmo trabalho de ensacamento.

Apesar de aumentar o custo de produção, o ensacamento de cachos é uma prática que vem sendo recomendada em plantios  comerciais de bananeira que produzem frutos com melhor qualidade ou com padrão para exportação, por evitar danos nos frutos causados pelos fatores citados anteriormente, de forma que no final o custo/beneficio compensa.


Artigo publicado na 47ª edição (Dez/Jan 2014) da revista ProCampo
por Luiz de Melo
Engenheiro agrônomo
abiko@agroabiko.com.br
É proibida a reprodução total ou parcial sem autorização expressa dos editores ou do autor.


Edições Anteriores

23.09.2014 - 12 de outubro. Dia do Engenheiro Agrônomo

23.09.2014 - O mosaico do mamoeiro e o mamão de quintal

23.09.2014 - Parasitos: Importantes vilões da produção pecuária

23.09.2014 - Três cultivares de café conilon são protegidas pelo Incaper

23.09.2014 - A certificação fairtrade no café


 voltar  |  topo  |  home

Publicidade

 

Anuncie Aqui!

Anuncie Aqui!

Anuncie Aqui!

Anuncie Aqui!

 

Parceiros

 
  • Cedagro
  • Defagro
  • Midas
  • Cooabriel
  • Incaper
  • Seea
  • Senar
  • CCA-Ufes

Revista ProCampo - A Revista do Agronegócio Capixaba

Endereço: Rua Vinte e Dois de Abril, 09 - B.N.H. - Linhares/ES - 29902-180

Telefone: (27) 3373-3424 // 9984-5808

Email: procampo@revistaprocampo.com.br

"Criando sua empresa na internet"