Revista ProCampo - Uma Leitura Produtiva

 

 
de 2017.   51ª Edição (Agosto/Setembro)  
Publicidade

Anuncie Aqui!

Notícias

 

18.04.2011 - 11:09

Tecnologia em prol da produtividade

A precocidade no abate de frangos desmistificando o uso de hormônios (substâncias anabolizantes) de crescimento

Por volta de 1900 a galinha foi considerada como fonte expressiva de alimento. O termo “broiler” ainda lido por aí, foi dado ao frango jovem com idade entre 12 – 14 semanas, ou seja, com uns quase 100 dias, quando muito atingia 1,0 kg de peso vivo e consumo de 5,0 kg de ração.  Representava o galeto “al primo canto” tão apreciado. Hoje em pleno 2011 ele não canta, é abatido ainda na puberdade. Aos 42 dias de idade pesa em media 2,5 kg e consome o mesmo peso em ração - 5,0 kg.

Todo este progresso está baseado em alguns pilares construídos com maciços investimentos monetários que resultaram em avanços tecnológicos beneficiando a atividade avícola. Dentre os principais podemos citar; seleção genética, nutrição animal, manejo das aves, erradicação das principais doenças, indústria farmacêutica veterinária, indústria de equipamentos, estudo da ambiência, e aplicação da informática.

- Seleção genética - Devido ao curto período de vida das galinhas entre o seu nascimento e a reprodução a obtenção dos resultados acompanha esta velocidade.

- Nutrição animal - A descoberta de vitaminas, a produção sintética de elementos, necessário à formação de proteínas causou verdadeira revolução na área nutricional. A divulgação das tabelas nutricionais dos ingredientes para formulação de rações em geral proporcionou a grande oportunidade para se eleger a fórmula de mínimo custo. As pesquisas mostraram as exigências nutricionais nas etapas da vida das aves, quanto aos níveis de proteína, energia total e energia metabolizável, vitaminas e minerais. A apresentação das rações peletizadas, as extrusadas, enzimas, promotores de crescimento, probióticos colonizadores dos intestinos por exclusão à base de bactérias benéficas, tornaram “um prato cheio” para alimentação das aves.

- O manejo das aves, baseado em seu comportamento e inter relação com cativeiro absoluto em que são criadas, estudado exaustivamente para oferecer o melhor conforto animal.

- Erradicação de doenças - A aplicação de programas de erradicação das principais doenças em todo o mundo, com a cooperação entre o poder público e as entidades privadas, trouxe a possibilidade do livre comércio entre as nações.

- A indústria farmacêutica veterinária em parceira com a humana desenvolveu armas para o combate e profilaxia das principais doenças provocadas principalmente por bactérias, e vírus. Como informativo útil ao título deste artigo, para que não se tenha que “perturbar” o frango durante sua criação, milhões de pintos estão sendo vacinados “intra ovo” nos incubatórios, qual seja, dois dias antes do seu nascimento, apesar de carregarem anticorpos maternos, protetores da prole nos primeiros dias de vida.

- A indústria de equipamentos acompanhou o desenvolvimento desta atividade atendendo as necessidades apresentadas em cada setor e a cada momento nas granjas, incubatórios, fábrica de ração, transporte de ração, armazenagem, automação em geral.

- O estudo da ambiência tornou-se obrigatório à medida que se acelerava o ganho de peso dos frangos, consumo de ração e água e a produção fezes em um mesmo espaço. A troca de ar, temperatura, umidade relativa no ar, programa de luminosidade à noite como incentivo ao consumo de ração, são fatores decisivos para criação de frangos de modo intensivo. A disponibilidade de ração e água tratada ao seu alcance e a qualquer momento não permite o stress da procura por alimento.

- Sem o uso do computador os índices zootécnicos atuais da avicultura moderna, por certo não teriam atingido o esperado. Principalmente em dois itens; o melhoramento genético e a formulação de rações, setores onde a quantidade volumosa dos números exige anotações e cálculos extremamente desgastantes.

                          Hormônio
 
Hormônio é uma proteína elaborada nas espécies vivas, circulando através do organismo, produzindo efeitos fisiológicos.

De acordo com a definição todos carregam sua quantidade de hormônios e inclusive o nosso ponto de discussão – o frango de granja.

Alguns itens que se seguem, somam-se aos anteriores como prova cabal da inocência dos nossos mais de quinhentos milhões de frangos produzidos por mês no Brasil e criados sem a aplicação de qualquer tipo de hormônio exógeno (hormônio aplicado).

1 - No Brasil a proibição ocorre desde janeiro de 1976, por decreto nº 76.986 do então presidente Ernesto Geisel, que proíbe aplicação de hormônios em animais.

2 - Outra razão prática é que, caso houvesse a aplicação de hormônios em aves, não haveria tempo suficiente para a manifestação de resultados da substância sintética, já que o ciclo de produção do frango dura, em média, 42 dias.

3 – Hormônio aplicado via ração ou água seria degradado ao chegar ao início do trato digestivo. A aplicação intramuscular em milhões de frangos seria impraticável.

4 – O Brasil exportando frangos para mais de 150 países não se arriscaria a burlar as leis e as exigências dos importadores.

Ao analisarmos os itens mencionados pode-se concluir que se houvesse a aplicação de substâncias hormonais em frango, que causa dúvidas em algumas pessoas, seria pouco provável que somente ele conseguiria provocar tanta evolução na avicultura. Um conjunto de medidas em um período longo, como pesquisas e aplicação da ciência ao setor foram os principais responsáveis por este desenvolvimento, não só visto na avicultura como em toda a cadeia alimentar humana.

Artigo publicado na 31ª edição (Abr/Mai 2011) da revista ProCampo
por Eustáquio Moacyr Agrizzi
Médico Veterinário
Aves – Marechal Floriano (ES)
eustaquio.agrizzi@gmail.com


Edições Anteriores

23.09.2014 - 12 de outubro. Dia do Engenheiro Agrônomo

23.09.2014 - O mosaico do mamoeiro e o mamão de quintal

23.09.2014 - Parasitos: Importantes vilões da produção pecuária

23.09.2014 - Três cultivares de café conilon são protegidas pelo Incaper

23.09.2014 - A certificação fairtrade no café


 voltar  |  topo  |  home

Publicidade

 

Anuncie Aqui!

Anuncie Aqui!

Anuncie Aqui!

Anuncie Aqui!

 

Parceiros

 
  • Cedagro
  • Defagro
  • Midas
  • Cooabriel
  • Incaper
  • Seea
  • Senar
  • CCA-Ufes

Revista ProCampo - A Revista do Agronegócio Capixaba

Endereço: Rua Vinte e Dois de Abril, 09 - B.N.H. - Linhares/ES - 29902-180

Telefone: (27) 3373-3424 // 9984-5808

Email: procampo@revistaprocampo.com.br

"Criando sua empresa na internet"