Revista ProCampo - Uma Leitura Produtiva

 

 
de 2017.   51ª Edição (Agosto/Setembro)  
Publicidade

Anuncie Aqui!

Notícias

 

04.11.2011 - 10:18

Ocorrência da broca da haste em café conilon

Um pequeno besourinho da família Scolytidae, bastante parecido com a broca-do-café, que ataca os frutos, tem sido observado atacando os ramos e brotações novas do café conilon.

A diferença entre a broca-do-café, Hypothenemus hampei, e a broca da haste, Xylosandrus compactus, só pode ser observada em lupas que permitam aumentos superiores a 50 vezes.

No Espírito Santo, sua presença foi observada há alguns anos na Fazenda Experimental de Marilândia, do Incaper, atacando ramos lenhosos e brotações novas de cafeeiros, provocando o secamento dos mesmos a partir do orifício de entrada da fêmea, que cava uma galeria e nesta colocam seus ovos. Todo o ciclo biológico – dos ovos nascem as larvas, que se transformam em pupas, que originam novos adultos - ocorre dentro dessas galerias. Tratava-se de uma praga quarentenária para o Brasil, mas seu registro já foi feito por técnicos do Ministério da Agricultura.
 
Sua ocorrência, até o momento, está associada a algumas variedades de Coffea canephora cujo plantio não é recomendado pela pesquisa. Observada inicialmente na variedade Apoatã, registra-se também sua ocorrência em variedades (e cruzamentos decorrentes) conhecidas como Guarini e algumas variedades de Robusta apreciadas pelos viveiristas e produtores, como Verdão, Robustão (é assim conhecido pelos produtores, mas não é a variedade Robustão Capixaba, do Incaper, que é tolerante à seca), Verdão, e o Super-tardio, que está sendo bastante plantado em função de permitir a colheita em época em que as outras variedades já foram colhidas e há maior disponibilidade de mão-de-obra.

Não se conhecem maiores detalhes de sua biologia nem de seus hábitos, o que não permite a recomendação de medidas de controle químico.

Assim, em casos de ocorrência que preocupem o produtor pela alta infestação, a recomendação seria a retirada e destruição dos ramos atacados. É importante destacar que a simples retirada dos ramos não resolve o problema, pois o inseto continua a se desenvolver dentro dos ramos, mesmo que estes sejam retirados da planta, sendo necessária sua destruição.

Artigo publicado na 34ª edição (Out/Nov 2011) da revista ProCampo
por Cesar José Fanton
Eng. agrônomo, Doutor em Entomologia, Pesquisador do Incaper
fanton@incaper.es.gov.br


Edições Anteriores

23.09.2014 - 12 de outubro. Dia do Engenheiro Agrônomo

23.09.2014 - O mosaico do mamoeiro e o mamão de quintal

23.09.2014 - Parasitos: Importantes vilões da produção pecuária

23.09.2014 - Três cultivares de café conilon são protegidas pelo Incaper

23.09.2014 - A certificação fairtrade no café


 voltar  |  topo  |  home

Publicidade

 

Anuncie Aqui!

Anuncie Aqui!

Anuncie Aqui!

Anuncie Aqui!

 

Parceiros

 
  • Cedagro
  • Defagro
  • Midas
  • Cooabriel
  • Incaper
  • Seea
  • Senar
  • CCA-Ufes

Revista ProCampo - A Revista do Agronegócio Capixaba

Endereço: Rua Vinte e Dois de Abril, 09 - B.N.H. - Linhares/ES - 29902-180

Telefone: (27) 3373-3424 // 9984-5808

Email: procampo@revistaprocampo.com.br

"Criando sua empresa na internet"