Revista ProCampo - Uma Leitura Produtiva

 

 
de 2017.   51ª Edição (Agosto/Setembro)  
Publicidade

Anuncie Aqui!

Notícias

 

15.07.2013 - 11:24

Desvendando a conta do boi

No Espírito Santo, as propriedades que exploram a pecuária de corte apresentam tamanho médio e estão localizadas, principalmente, na região norte do Estado.
O rebanho capixaba de gado bovino e bubalino (búfalos), avaliado no final de 2012 era de 2.271.978 cabeças (IDAF/2013).
A indústria frigorífica é composta por 14 empresas, 3 estão sob a fiscalização federal (SIF) e as demais sob a fiscalização estadual (IDAF).
Atividade bastante tecnificada, a pecuária de corte estadual faz uso de técnicas como Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF), adubação de pastagens, cercas eletrificadas e suplementação dos animais no período seco do ano com misturas proteinadas, dentre outras. Disso resulta na produção de animais de excelente carcaça, terminados para o abate com idade média de 30 meses, com peso líquido de 18,5@ (277,5Kg). Entretanto, os preços da arroba não acompanham os custos de produção.
Conforme a tabela abaixo, podemos observar que os preços pagos pelos frigoríficos para o boi gordo estão “andando de lado” desde setembro de 2010.

Agora vem a conta

Ao adquirir um bezerro desmamado com peso líquido de 7@ (105Kg) ao preço de R$ 110,00/@ (cento e dez reais/arroba), e vendê-lo como boi gordo com 18,5@ (277,5Kg) ao preço de R$ 90,00/@ (noventa reais/arroba) aproximadamente 2 anos depois, o que sobra para o pecuarista é o tapinha nas costas parabenizando pelo gado.
A seguir, a tabela 2 ilustra a visualização do custo/benefício do negócio.

 

Considerando um custo cabeça/mês de R$ 20,00 (vinte reais) gastos com mineral, salário de vaqueiro, combustível, produtos veterinários, impostos, manutenção de máquinas e equipamentos, benfeitorias etc, o pecuarista terá um lucro de R$ 415,00 (quatrocentos e quinze reais) no período.
Caso consiga a lotação de 1 cabeça/hectare/ano, tem-se um lucro de R$ 207,50 (duzentos e sete reais) por hectare/ ano. Então, amigo pecuarista, faça contas somando tudo que gastou com o negócio e divida pelo total de cabeças no mesmo período. Ao encontrar o custo por cabeça/mês, calcule sua rentabilidade, observe onde está gastando mais e economize naquilo que for possível.
Assim, como não podemos definir o preço de venda, o único jeito é apertar o cinto dentro da porteira!...
Ou, como dizia Rui Ottoni Prado, presidente da Aprosoja: “O produtor rural é o que mais perde nessa cadeia, porque ele é a ponta. Todo mundo vai repassando custos, e ele tem que arcar com isto”.

Artigo publicado na 44ª edição (Jun/Jul 2013) da revista ProCampo
por Eduardo L. Siqueira Nejain
Eng. Agrônomo e pecuarista
nejaim@hotmail.com
É proibida a reprodução total ou parcial sem autorização expressa dos editores ou do autor.


Edições Anteriores

23.09.2014 - 12 de outubro. Dia do Engenheiro Agrônomo

23.09.2014 - O mosaico do mamoeiro e o mamão de quintal

23.09.2014 - Parasitos: Importantes vilões da produção pecuária

23.09.2014 - Três cultivares de café conilon são protegidas pelo Incaper

23.09.2014 - A certificação fairtrade no café


 voltar  |  topo  |  home

Publicidade

 

Anuncie Aqui!

Anuncie Aqui!

Anuncie Aqui!

Anuncie Aqui!

 

Parceiros

 
  • Cedagro
  • Defagro
  • Midas
  • Cooabriel
  • Incaper
  • Seea
  • Senar
  • CCA-Ufes

Revista ProCampo - A Revista do Agronegócio Capixaba

Endereço: Rua Vinte e Dois de Abril, 09 - B.N.H. - Linhares/ES - 29902-180

Telefone: (27) 3373-3424 // 9984-5808

Email: procampo@revistaprocampo.com.br

"Criando sua empresa na internet"